Economia: mudanças para recuperação judicial e falência pode sair este ano – Exame

Novas regras para a questão foram apresentadas ainda no governo Temer, mas não avançaram no parlamento; Executivo prepara uma nova proposta

Brasília — O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, defendeu nesta quarta-feira (9) a revisão da lei de falências e recuperação judicial pelo Congresso Nacional, e disse acreditar na aprovação do novo marco para esses processos ainda este ano.

“O sistema de recuperacional e falimentar no Brasil precisa ser melhorado, com impactos importantes na geração de emprego e renda”, afirmou, em audiência pública na Câmara dos Deputados. Segundo Waldery, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já conversaram sobre o assunto e senadores também já estariam envolvidos no debate.

Um novo marco legal para a recuperação judicial de empresas era uma promessa do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, mas o texto apresentado ainda no governo Temer não avançou no parlamento. Agora, após três meses de trabalho em conjunto com a Economia, o deputado Hugo Leal (PSD-RJ) propõe um projeto mais enxuto, mas que flexibiliza o parcelamento de débitos com a União, autorizando essas companhias a negociarem maiores prazos e descontos com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Entre as principais mudanças proposta está o reequilíbrio do poder dos credores nos processos de recuperação judicial, inclusive com a vedação da distribuição de lucros e dividendos. “Também buscamos maior segurança jurídica em todas as cláusulas desses processos, incluindo a alienação de bens”, afirmou.

Waldery destacou ainda a solução do Fisco para a tributação do chamado haircut – desconto nas dívidas em processos de recuperação judicial – e do ganho de capital na alienação de bens – nos casos de falência. As companhias também poderão utilizar créditos tributários de prejuízos passados para quitarem uma série de débitos com a União.

O projeto tem ainda um capítulo específico para tratar das falências transnacionais e também traz revisão de prazos e facilitação para encerramento dos processos falimentares. “Precisamos desburocratizar e dar celeridade a esses processos. O sistema tem que funcionar bem, os agentes têm que sair melhor do que entraram no processo, e a falência tem que ter um processo crível”, destacou.

Waldery citou que as cerca de 7.200 empresas em recuperação judicial e as 200 em falência no País acumulam R$ 281 bilhões em operações de crédito. O secretário reforçou que a taxa de recuperação de crédito no País é de apena 14,6%.

O deputado Hugo Leal adiantou que a recuperação judicial e a falência de micro e pequenas empresas deverão ser tratadas em um projeto em separado. “Produtores rurais, sociedades esportivas e outros segmentos também passarão por outra discussão, para não contaminar esse debate”, completou o parlamentar.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!