Deflação e Crescimento Fraco no Varejo Podem Agravar Alta do Dólar no Brasil – Investing.com

Dados divulgados ontem (09) e hoje (10) abalam a tese de que, aos poucos, o Brasil estava saindo da crise e que, em breve, o fluxo negativo de capital estrangeiro voltaria a ficar positivo. Ontem, dados sobre a inflação, que havia sido estimada em 0,03%, veio em -0,04%. Ou seja, tivemos uma deflação, indicando que a atividade econômica diminuiu ao invés de aumentar ou permanecer estável.

Hoje, foram publicados dados do varejo, que têm relação direta com o grau de consumo das famílias. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento foi de 1,3%, frustrando a estimativa de 1,8%. Na comparação mensal, o crescimento foi de apenas 0,1%, contra uma expectativa de 0,3%, mostrando que a expansão do comércio varejista foi quase nula ao longo do último mês (setembro) e contrasta com os dados de agosto, que mostraram uma expansão da ordem de 1%.

Com a economia mundial em desaceleração e a guerra comercial entre China-EUA sem sinais de trégua, o grau de aversão a investimentos de risco tende a aumentar significativamente, afetando principalmente a atratividade de países emergentes, com o Brasil. O efeito negativo desse cenário tem impacto duplo: mina a capacidade de trazer investimentos para o país ao mesmo tempo que estimula a saída dos investimentos que já foram feitos.

Em ambos casos, um primeiro empecilho é o estado absolutamente precário da economia brasileira: baixa produtividade, alto índice de desemprego, pouco poder de consumo – o que desestimula quaisquer investimentos de ordem industrial ou do setor de serviços, agravado pela incapacidade do governo de prover estímulo econômico. Segundo, a tática utilizada para tentar prover esse estímulo – uma redução na taxa básica de juros – não teve o efeito esperado a nível doméstico e, a nível internacional, diminuiu a atratividade dos títulos públicos brasileiros.

Acrescente-se a isso um grau de instabilidade política bastante alto, que começou no segundo mandato de Dilma Rousseff e se agravou após o processo de impeachment. Com a eleição de Bolsonaro – cuja imagem no exterior não foi, em ocasião alguma, a de um candidato pró-mercado, mas de figura autoritária, homofóbica e boquirrota – a imagem do Brasil se deteriorou ainda mais, em especial na medida em que o presidente fomentava tensões com diferentes lideranças globais – algumas delas, francamente pueris, como no caso envolvendo a esposa de Emmanuel Macron, presidente da França.

Tudo isso resultou, até o momento, em uma saída total de 27 bilhões de reais da bolsa brasileira, com 6 bilhões saindo apenas nesse mês de outubro. Não surpreende, desse modo, a alta observada no em período recente. Na medida em que ativos são convertidos em reais, são depois convertidos em dólares: não apenas porque a moeda americana é padrão para negociações internacionais, mas também porque é considerada um ativo-refúgio em momentos de crise econômica, devida a resiliência do mercado dos Estados Unidos. Uma vez que a urgência para tirar investimentos do Brasil supera a oferta de dólares no mercado à vista, o preço dispara e só é aliviado com a interferência do Banco Central do Brasil.

Perspectiva futura

Na medida em que as economias desenvolvidas não dão sinais de melhora e a guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo – China e Estados Unidos – se arrasta sem sinais claros de avanços num acordo que bote fim ao conflito, a economia brasileira deve sentir cada vez mais os efeitos da crise. Embora, em meses anteriores, a economia tenha dado alguns tímidos sinais de melhora, o cenário macroeconômico e os sinais de piora continuam muito mais relevantes.

Não por menos, o número de contratos futuros de real, negociados nas bolsas americanas e apostando na desvalorização da moeda brasileira, já se aproxima do patamar histórico atingido em 2014, quando o saldo de contratos abertos era de 47 mil. Atualmente, estão em 39 mil – há três semanas atrás, no entanto, eram apenas 9 mil. Isso mostra a convicção de grandes agentes especulativos – que ganham com as oscilações do mercado e, por isso mesmo, costumam estar corretos sobre o rumo do preço – de que o real continuará se desvalorizando em relação ao dólar (ou, em outras palavras, de que o preço do dólar continuará subindo no Brasil).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!