Exacerbações Momentâneas Não Deverão Afastar Patamar do Preço do Dólar de R$ 4,00 – Investing.com

Os movimentos intensamente voláteis no preço da moeda americana no nosso mercado, pós leilões envolvendo petróleo realizados pelo governo quarta-feira e ontem, atribuídos em sua intensidade ao insucesso dos mesmos, tem fundamento, mas incontestavelmente muita especulação, muito comum neste mercado dada a suscetibilidade do câmbio a fatos marcantes.

Mudou de patamar a perspectiva do preço?

A rigor não, mas deu maior sustentabilidade à projeção do mesmo no em torno de R$ 4,00, já que o “aguardado” fluxo de ingressos de capitais estrangeiros da ordem de US$ 8,5 Bi foi frustrado e isto poderia provocar a depreciação do preço até próximo de R$ 3,80, já que os volumes de recursos estrangeiros financeiros que saíram do país no último trimestre (ago-out) no montante de US$ 23,3 Bi sugere que houve um deslocamento de saídas que tradicionalmente se acentuariam em novembro e dezembro como resultados de empresas acrescidos de grande montante de capitais especulativos que perderam viabilidade no nosso mercado, face à forte tendência de maior queda do juro interno no Brasil, descaracterizando-o como o oásis da especulação.

Um impacto forte de ingresso certamente poderia apreciar o real frente ao dólar, como não aconteceu o preço da moeda deve ganhar consistência ao redor de R$ 4,00, afastando o viés de queda para o 1º trimestre quando se espera melhora dos fluxos de recursos estrangeiros, agora de melhor qualidade, para o nosso mercado financeiro, com ênfase à Bovespa, na medida em que haja melhor consistência na projeção do PIB 2020 em 2,5%, para investimentos na infraestrutura.

Há o claro entendimento de que o modelo do leilão era ruim e envolvia preço elevado e isto foi determinante para o insucesso que nada teve a ver com questões políticas.

É uma questão temporal, a rigor deverão ser reativadas as colocações de papéis brasileiros no exterior aproveitando o CDS baixo, o que também agregará para a melhora do fluxo cambial.

Além disto, deve ser incrementado o programa de privatizações e o país tem enormes oportunidades de investimentos na infraestrutura.

A formação do preço do câmbio se ancora em perspectivas e estas, afora movimentos pontuais sem sustentabilidade como ocorre no momento, mais emocional do que racional, indica que o quadro prospectivo para a economia brasileira é bastante favorável, já estando o país na direção certa e o impulso agora será na intensidade/velocidade que deverá fomentar a criação de emprego, renda e consumo.

Não há razões para exacerbação no preço do dólar, o BC vendeu a mercado, reduzindo as reservas cambiais, montante ao redor de US$ 23,0 Bi ante um fluxo cambial negativo da ordem de US$ 22,0 Bi, e vem agindo para não interferir na formação do preço ao conjugar seus leilões de moeda efetiva com a retirada de derivativos que não é moeda, mas tem efeito inverso no mercado futuro ao da oferta de moeda no mercado à vista, em montante equivalente com os swaps cambiais reversos.

Se houver alguma atipicidade, o BC pode conter anomalias simplesmente mantendo a oferta no mercado à vista e retirando a oferta de swaps cambiais reversos no mercado futuro.

Nada que inspire preocupações no câmbio, o Brasil está bem defendido e o BC tem refinamento operacional para agir pontualmente.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!