Dólar fecha em alta ante real após 6 quedas seguidas, mas segue abaixo de R$4,15 Por Reuters – Investing.com

© Reuters. Casa de câmbio em São Paulo

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em alta ante o real nesta terça-feira, num ajuste depois de seis pregões consecutivos de queda, numa sessão negativa para algumas moedas latino-americanas e com o mercado evitando risco um dia antes das decisões de juros no Brasil e nos Estados Unidos.

O pregão foi de ajuste também numa medida de incerteza para a taxa de câmbio (a volatilidade implícita em contratos de opção de dólar de três meses), que subiu depois de cair por várias sessões e atingir o menor patamar em cinco anos e meio.

O dólar à vista subiu 0,47%, a 4,1486 reais na venda.

Na B3, em que as negociações vão até as 18h15, o contrato de dólar futuro mais movimentado tinha alta de 0,13%, a 4,1520 reais.

A alta da cotação nesta terça mostrou que a moeda ainda tem dificuldades em romper suportes técnicos. Na véspera, depois de seis quedas consecutivas, o dólar encostou na média móvel linear de 50 dias. Se deixada para trás de forma consistente, essa linha poderia acionar novas ordens de vendas e baixar mais o preço da divisa dos EUA.

A sequência de seis quedas foi a mais longa série do tipo desde as também seis baixas consecutivas entre 30 de agosto e 6 de setembro de 2017. Na segunda, o dólar fechou na mínima em um mês.

Na América Latina, peso chileno e sol peruano recuavam nesta sessão, enquanto as moedas de Argentina e México operavam perto da estabilidade, num dia de queda do dólar ante divisas fortes.

Parte do salto de mais de 5% do dólar ante o real em novembro decorreu, segundo analistas, do aumento da incerteza na América Latina, diante de distúrbios sociais em países como Chile, Colômbia e Bolívia.

O mercado evitou risco nesta terça também à espera das decisões de política monetária nos EUA e no Brasil. A expectativa é que o BC local corte a Selic em mais 0,50 ponto, para uma nova mínima de 4,50% ao ano, enquanto nos EUA o mercado espera estabilidade da taxa.

A redução do diferencial de juros entre ambos os mercados ao longo do ano pressionou o real, que acumula depreciação de cerca de 7% ante o dólar em 2019.

Analistas veem, porém, algum suporte ao real do lado dos fluxos nos próximos meses.

“Apesar da piora na conta corrente, esperamos que a deterioração seja limitada e gradual, conforme ingressos de recursos devem continuar robustos dadas as perspectivas de melhora no crescimento do PIB”, disse o BofA em relatório.

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!