Antes de Copom, dólar fecha na mínima em mais de um mês ante real com Fed Por Reuters – Investing.com

© Reuters. .

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou no menor patamar em mais de um mês frente ao real nesta quarta-feira, descendo à casa dos 4,12 reais, em meio ao fraco desempenho da moeda no exterior após o banco central dos Estados Unidos enfraquecer perspectivas de altas de juros por lá.

O mercado operou ainda na expectativa pela decisão de política monetária no Brasil.

O dólar à vista caiu 0,70%, a 4,1195 reais na venda. A cotação acelerou a queda enquanto o chairman do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Jerome Powell, fazia declarações em coletiva de imprensa.

A divisa terminou no menor patamar para um encerramento desde 7 de novembro (4,0935 reais na venda).

Na B3, em que os negócios vão até as 18h15, o dólar futuro de maior liquidez tinha baixa de 0,71%, a 4,1205 reais.

No exterior, o índice do dólar, que mede o valor da moeda contra uma cesta de seis rivais, caiu ao menor nível em quatro meses, depois de o chairman do Fed, Jerome Powell, ter dito que seria preciso uma inflação significativa e persistente para juros mais altos.

Taxas mais elevadas nos EUA na comparação a seus pares têm beneficiado o dólar há pelo menos dois anos, uma vez que mantêm o país mais atrativo para investimentos e fluxos em relação a Europa e Japão.

No Brasil, o mercado projeta corte de 0,50 ponto percentual da Selic nesta quarta-feira, mas as atenções estarão voltadas para a sinalização do Banco Central sobre os passos da política monetária em 2020.

A forte queda na taxa básica de juros brasileira desde o fim de 2016 tem sido um importante fator para a depreciação recente do real, uma vez que diminui a “vantagem” da moeda brasileira como ativo de investimento ante outras divisas emergentes.

Em outubro de 2016, quando a Selic estava em 14,25% ao ano, o BC começou um ciclo de cortes que, intercalado com pausas, trouxe o juro básico à mínima histórica de 5,00% em outubro de 2019. No período, o real acumula depreciação de mais de 20%, saindo de 3,25 por dólar para os atuais patamares em torno de 4,12 por dólar.

“O real deve se fortalecer caso o Copom feche a porta para cortes de juros”, disse o Citi em nota a clientes. “O real já tem se beneficiado da intervenção cambial e de dados econômicos mais fortes, e um banco central ‘hawkish’ ofereceria mais apoio”, acrescentaram os profissionais.

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!