Tuma é reeleito para comando da Câmara Municipal de São Paulo – Isto É

O atual presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Eduardo Tuma (PSDB), foi reeleito ao cargo na manhã de ontem. Ele era candidato único ao posto e foi eleito com 49 votos, com apoio de bancadas aliadas e das de oposição.

O vereador é ligado a pautas evangélicas e da segurança pública, e é um dos principais articuladores do prefeito Bruno Covas (PSDB) no Legislativo. Ele permanecerá no posto sob a perspectiva de assumir a prefeitura caso um eventual pedido de licença seja solicitado pelo prefeito da cidade, Bruno Covas (PSDB), que não tem vice-prefeito (ele foi vice de João Doria, do mesmo partido, que deixou o posto para concorrer e vencer disputa pelo governo do Estado). Covas se trata de um câncer no sistema digestivo e está internado no Hospital sírio-libanês.

“A não indicação de outro candidato mostra que esta Casa tem trabalho em sinergia”, disse Tuma, logo após a vitória, em um discurso que não abordou eventual mudança no Palácio Anchieta, sede da Prefeitura.

Segundo aliados, o planejamento do novo presidente é buscar uma saída para poder se candidatar a vereador no ano que vem, mesmo que ele tenha de assumir a Prefeitura provisoriamente – se tiver de assumir a Prefeitura, não poderia, segundo a legislação eleitoral, se candidatar ao cargo de vereador, apenas a prefeito.

Tuma teve como fiador o vereador Milton Leite (DEM), ex-presidente da Câmara, que foi eleito como primeiro vice-presidente da Casa, também como candidato único.

Racha no PT

A única disputa na eleição culminou num racha interno no PT, partido que tem direito à primeira secretaria da Câmara. O PT indicou dois nomes para o posto: Paulo Reis e Alessandro Guedes – este último foi o eleito, com 34 votos.

O racha veio de uma disputa entre dois grupos internos da sigla petista, o Novo Rumo (do qual Reis fazia parte) e o Construindo um Novo Brasil (CNB), do qual faz parte o pré-candidato à Prefeitura Jilmar Tatto, criticado por Reis. O vereador disse que a “dinastia Tatto” e a “disputa da Prefeitura em 2020” estavam “prejudicando” a eleição.

Os dois grupos tinham quatro vereadores cada. Mas, neste ano, o Novo Rumo perdeu dois para o adversário, e não houve acordo para indicação de um só nome. Guedes citou “intransigência” de parte dos colegas e lamentou que Reis havia levado o tema ao plenário.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!